quarta-feira, 23 de julho de 2014

A interferência do CONANDA na Publicidade Infantil

                             A interferência do CONANDA na Publicidade Infantil

O PBB de hoje traz uma reportagem com a Mônica de Souza, filha do desenhista Maurício de Souza, produtor dos personagens infantis Turma da Mônica, falando sobre a interferência do Conanda na Publicidade Infantil. Leia e tire suas conclusões sobre este texto, dê sua opinião sobre a proibição dos personagens infantis em produtos infantis.





SÃO PAULO - A resolução do Conselho
 Nacional dos Direitos da Criança e do 
Adolescente que considera abusiva
 publicidade infantil é alvo de elogios 
de alguns e críticas de outros, entre estes
 a filha de Mauricio de Sousa.



O GLOBO: Qual é a relação da Turma da Mônica com a questão da infância?
MÔNICA DE SOUSA: Nossa meta sempre foi trabalhar para o bem-estar da criança. Passamos valores como amizade, respeito aos pais, aos mais velhos, uma sociedade mais ou menos equiparada, onde todo mundo tenha pai e mãe cuidando com carinho.


No que a resolução impacta o negócio de vocês?
A resolução quer, de alguma maneira, sumir com todos os personagens infantis. Estende-se a embalagens, que não podem ser coloridas, bonecos, que não podem ter som... É muito radical. Podemos trabalhar em conjunto com as instituições para chegar a um denominador comum. A sociedade está consumindo mais, a doença do século é a obesidade, mas isso tem que ser trabalhado com educação, não proibição.


Proibir não é o melhor para proteger a criança?
Se você proíbe uma criança de ver alguma coisa, a está deixando mais alienada. Ela tem que crescer e saber discernir entre certo e errado. A família tem que passar isso. É simplista proibir comerciais de televisão e personagens. Isso vem de uma sociedade que está com problema emocional. Pais e mães estão substituindo o convívio por dar presentes. Isso não é culpa da publicidade, e sim dessa sociedade, que está carente dessa relação.


A resolução ajuda a lidar com o consumismo exagerado?
Empresas deixaram de anunciar para crianças. Qual foi a consequência? Deixou de existir o espaço infantil nas TVs abertas. quando se proíbe uma publicidade dirigida à criança, esta não deixará de ver televisão e vitrines, vai começar a consumir um produto que não é para ela, mas para um adulto. Produtos voltados para crianças são mais bem preparados para elas. Tiraram todo horário infantil da criança da TV, agora os canais passam receitas.


É a publicidade infantil que garante programas infantis na TV?
Sim. Refrigerante não anuncia mais para criança. Mas os comerciais dele são vistos por elas. Esse tipo de resolução é tapar o sol com a peneira. Não vai melhorar o que está acontecendo, o fato, que é a obesidade. Três fatores fazem a criança comer demais: genético, emocional e exemplo da família. Colocar o governo para proibir qualquer publicidade é muito fácil. Educar é que é mais difícil.


As regras que já existem vão no caminho da resolução?
Existem alguns abusos. Merchandising em programa infantil é absurdo. De alguma maneira, você está colocando um ídolo ali dizendo que usa aquele produto. Mas a Maurício de Sousa tem suas regras. A gente não tem licenciamento de refrigerante e bala, porque mudou a sociedade. Faz 16 anos que trabalhamos com frutas no licenciamento. De alguma maneira, estamos fazendo com que a mãe tenha a força do personagem para incentivar a criança a experimentar frutas e verduras.


A resolução inviabiliza isso?
Tudo. Até a maçã não teremos mais, não pode ter personagem na embalagem.




Algo que promove a boa alimentação não estaria preservado?
Não, porque não pode estar associado ao produto. Miram em uma caixa de marimbondo e pegam todos os passarinhos em volta. Que empresa vai licenciar produto para crianças, se vai ter que se defender o tempo inteiro?


Qual é hoje a ética interna da Mauricio de Sousa Produções?
Os personagens ilustram a embalagem, mas não testemunham sobre o produto. A Mônica não fala “essa minha força vem em função disso!”, nunca fizemos isso.

Por quê?
O Maurício proíbe falta de ética, de maneira que desqualifique a criança. Meu pai, por exemplo, não aceita nem ser júri de desenhos, porque não consegue dizer para uma criança que o desenho dela não está bom. Meu pai é um artista. E quer que a arte dele sobreviva a tudo isso.


Quando um personagem aparece em uma embalagem, ele apoia a compra do produto?
Ele não está fazendo com que (a criança) consuma, mas com que escolha aquele produto entre outros.

Isso não é usar uma relação que ela estabeleceu com o personagem em outro lugar, fora do mercado, para sugerir uma compra?
Não é só isso. Tem o aval do Mauricio, que toma cuidado com quem fabrica o produto dele. A gente se pergunta: você daria esse produto para seu filho? Todo mundo quer licenciar, negamos a maioria. E com propostas boas financeiramente.

O uso de personagens infantis em produtos para adultos é uma forma de se aproveitar da influência da criança na família?
A criança já manda na família, está com força fenomenal. Eu não concordo com isso, no meu tempo quem decidia eram a mãe e o pai. Não tem a ver com o personagem, é o poder que a criança está tendo.

Anunciante se aproveita da vulnerabilidade da criança?
É o contrário, a criança está percebendo a vulnerabilidade dos pais, sabe o que quer vestir ou com o que quer brincar. Não vai deixar de consumir, pois a família está consumindo.

O bombardeio mercadológico não contribui para este problema?
Com certeza.


Mas não é contra isso que a resolução quer atuar?
Nas classes A e B há diminuição de obesidade e de consumo, porque se tem mais informação. Por que não se faz a mesma coisa com o personagem? O personagem promovendo educação familiar, educação de consumo, isso é interessante. Vamos pegar essa força para isso também. Não destruindo os personagens.


Fonte: http://oglobo.globo.com/sociedade/ate-maca-nao-teremos-mais-nao-pode-personagem-na-embalagem-13316071#ixzz38Ia4a8rL



quarta-feira, 16 de julho de 2014

Criatividade e novidades atraem atenção de clientes

Criatividade e novidades atraem atenção de clientes




Quem tem um varejo nos dias de hoje, sabe que há altos e baixos nas vendas em determinados meses. Para alguns comerciantes o mês de fevereiro é ótimo, porque a procura de fantasias e artigos escolares estão em alta, já para outros, no caso de uma loja de brinquedos as vendas sobem quando se trata dos esperados meses de: outubro e dezembro .
E aí o que fazer nos períodos em que a sazonalidade parece “off”?


                                                           
Vamos marcar a nossa loja com criatividade! Mostrar algo diferente todos os meses, e não esperar as datas especiais chegarem para que tenhamos clientes na loja. Vamos sempre ter um tema para cada mês, promoções vinculadas aquele tema que está em evidência para atrair a clientela, principalmente se a sua loja for visitada pelo mesmo cliente sempre! Pessoas adoram inovações!  

Podemos sempre criar ambientes atrativos ou cenários na vitrine da loja, chamando a atenção para os que ali passam. Seja uma loja de calçados infantis, de brinquedos , de roupas, enfim...
Temos assunto para o ano inteiro! Palestras, leituras, atividades extras e uma infinidade de possibilidades poderão ser apresentadas ao longo do ano.
 
Vitrines criativas chamam sempre atenção de quem passa no local 


Ok, trabalhar todos os meses com temas novos pode parecer cansativo pra você que tem uma maratona de 28 horas? Vamos trabalhar então, com as estações do ano de uma maneira bem alegre. Em vez de cada mês ter sua atração especial podemos dividir as estações e assim apresentar ao cliente suas promoções e novidades sendo em qualquer varejo.

O que não pode acontecer é a loja ficar vazia. É mostrar que o varejo está interessado no cliente e fazê-lo voltar. Mostrar ao cliente que não está interessado hoje, que no próximo mês ou estação, você (comerciante) terá uma novidade especial para ele!

Faça suas anotações em um caderno, visite outras lojas como cliente, saiba qual é o assunto do momento e transforme essas informações em algo valioso para seu varejo.  

Vamos surpreender as pessoas com criatividade e carinho! São palavras especiais que atraem a atenção de todos e que traz um retorno infalível...

Leia também: Loja que faz promoção atrai clientes e atrações levam clientes as lojas 

Por: Hosana Leonor