quarta-feira, 18 de março de 2015

Barbie com reconhecimento de voz e Wi-Fi causa polêmica


Barbie com reconhecimento de voz e Wi-Fi causa polêmica




As capacidades interativas da Hello Barbie são responsabilidade de uma startup chamada ToyTalk

Uma Barbie com Wi-Fi que conversa com as crianças pode não chegar às lojas segundo o jornal britânico The Guardian. Anunciada como a primeira boneca interativa em uma feira em Nova York, nos Estados Unidos, a Hello Barbie utiliza uma tecnologia de reconhecimento de voz similar a da Siri, da Apple, e do assistente de voz Google, o Google Now, para compreender o que a criança está dizendo. E, mais do que isso, para fazer a Barbie responder à criança.
As capacidade interativas da Barbie são responsabilidade de uma startup dos Estados Unidos chamada ToyTalk, que recebe e interpreta as conversas gravadas antes que o programa de respostas pré-programadas rode dentro da boneca. Os dados são armazenados para respostas futuras segundo explicou a empresa.
“A ToyTalk e Mattel só vão usar as conversas gravadas pela Hello Barbie para operar e melhorar nosso produto, para melhorar o desenvolvimento do reconhecimento de voz para as crianças, e para melhorar o processamento da linguagem natural", disse um porta-voz ToyTalk.
O brinquedo se conecta a internet via Wi-Fi e é capaz de compreender e responder a padrões de linguagem natural complexas. A boneca pode responder a perguntas
desenvolvidas a partir de dados recolhidos em conversas prévias com a criança, tais como "o que eu deveria ser quando crescer?". Em uma demonstração gravada em vídeo, a boneca sugere que a promotora poderia ser uma dançarina ou um político porque disse anteriormente gostava de palco, ou um "político dançante".
Antes de a boneca ser utilizada, os pais devem criar uma conta e concordar com várias políticas de privacidade. O brinquedo só ouve o filho depois de que um botão é pressionado, levando-o a fazer uma pergunta. O áudio gravado é criptografado antes de ser enviada pela internet. De acordo com a política de privacidade do ToyTalk, a empresa compartilha gravações de áudio com terceiros que "ajudam no reconhecimento de voz" e que esses terceiros podem manter todos os dados relacionados com esses arquivos salvos.
Privacidade das crianças em jogo
A tecnologia de reconhecimento de voz da ToyTalk utilizado pela Mattel opera de uma maneira semelhante a qualquer outra, incluindo funções de pesquisa por voz. Mas a falta de compreensão do usuário, no caso, da criança, que são potencialmente incapazes de compreender que suas ações estão sendo monitorados e se envolvem de forma ingênua, levantaram preocupações.
Segundo advogados consultados pela reportagem do The Guardian a maior preocupação é com os dados enviados para empresas terceiras, gravações com informações que podem revelar a intimidade das crianças. "Se eu tivesse um filho pequeno, ficaria muito preocupada que as conversas íntimas do meu filho com a boneca estivessem sendo registradas e analisadas”, disse a professora Angela Campbell da Faculdade de Direito da Universidade de Georgetown.
Na demonstração da Mattel, a Barbie faz, de acordo com os advogados, perguntas cujas respostas demandam uma grande quantidade de informações sobre a criança, seus interesses e sua família. E esses dados possuem grande valor para os anunciantes e poderiam ser erroneamente usados pela empresa para comercializar produtos.
"As crianças que brincarem com a Hello Barbie não estão apenas falando com uma boneca, elas estão falando diretamente para um conglomerado de brinquedos cujo único interesse é financeiro", disse Susan Linn, diretora-executiva da Campanha por uma Infância Livre de Comerciais. O grupo está tentando impedir a venda do brinquedo, programado para chegar às lojas no Natal.
Fonte: http://tecnologia.ig.com.br/2015-03-16/barbie-com-reconhecimento-de-voz-e-wi-fi-causa-polemica.html

quarta-feira, 11 de março de 2015

Socialmente responsável

Socialmente responsável


Na última semana vimos uma camiseta infantil circular com uma frase com uma frase mal colocada, com o intuito nada agradável , ainda mais se tratando do público mirim. Isso causou um furor na internet, não era pra menos.


Sim, SOMOS  totalmente responsáveis por criar produtos e apresentá-los  as crianças no intuito de vendê-los. O sucesso da venda deste produto depende exclusivamente da forma como ele será apresentado e também aceito pelos pais, já que são eles os nossos consumidores, quem compra estes produtos para seus pequenos.

Por isso, ao apresentar um lançamento (seja de marca, produto ou serviço) ao seu futuro cliente, temos que pensar na forma que ele será visto pela criança e principalmente pelos pais desta, pois muitas vezes uma frase mal formulada
ou uma foto pretensiosa pode gerar diversos problemas e a sua marca ou produto ir diretamente pro lixo! 
Observe cada detalhe e peça opinião na criação deste novo, antes de publicá-lo. Uma vez a marca apresentada de maneira errada, terá olhares duvidosos e críticos para sempre, o consumidor  NÃO TEM MEMÓRIA CURTA!

Se colocar no lugar deste consumidor e pensar como ele, é um dever do publicitário e marqueteiro. Ilustrar e passar a verdade para o futuro cliente é o correto, deixar claro o que uma empresa  faz de bom para seus consumidores é uma forma de criar vínculos e também de cativá-los.

Ser socialmente responsável ao divulgar um produto é estar preocupado com a sociedade e a imagem que seu produto passará para ela.
Se este produto, marca ou serviço  passará: respeito, confiança, caráter, ética, moralidade. Não basta apenas criá-lo e divulgá-lo de maneira que a sua imagem fique manchada com alguma: frase, imagem, embalagem, ainda mais se tratando de consumidor infantil.

Direcione uma porcentagem do seu lucro em benefício do próximo.
Pense na sua marca sempre de maneira positiva!

Fica a dica


Por: Hosana Leonor