quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Andador é proibido em todo o Brasil por apresentar riscos ao bebê

Andador é proibido em todo o Brasil por apresentar riscos ao bebê


A Justiça do Rio Grande do Sul decidiu nesta segunda-feira (9) suspender a comercialização de andadores infantis. A decisão é liminar, cabe recurso e vale para todo o país. Na ação, que foi proposta em ação civil pública elaborada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a entidade alega que o equipamento coloca crianças em risco de acidentes graves, inclusive com morte.

"Não existe nenhum argumento razoável para o uso do andador. A nossa avaliação é que esse produto é assassino e deixa sequelas para a vida toda". A declaração é do pediatra Rui Locatelli Wolf, da SBP, um dos que ajudou a elaborar a peça judicial. Na decisão, a juíza Lizandra Cericato Villarroel, de Passo Fundo (RS), fixou ainda multa de R$ 5 mil por dia de descumprimento da medida.

De acordo com a SPB, no ano passado, 850 crianças de 7 a 15 meses receberam atendimento médico emergencial ocasionados por acidentes em andadores, sendo 60% delas com lesão na cabeça. Neste ano, pelo menos três relatos de morte em decorrência do uso do andador por bebês chegaram até a entidade.

Reprovação

Em julho deste ano, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) realizou testes com todas as marcas de andadores produzidas no Brasil e todas foram reprovadas. Além da multa, a juíza determinou também que, caso as fabricantes não apresentem certificações de qualidade de seus produtos, feita pelo Inmetro, a proibição de venda ficará valendo.

Para a psicóloga clínica Susana Ória, não há necessidade da criança usar andador. Para ela, o equipamento é ruim, porque a criança acaba caindo, o que pode provocar acidentes, além de gerar acomodação. "No meu ponto de vista a mediação do adulto é muito importante, não só por causa do risco de acidentes, mas porque é uma estimulação importante no crescimento esse acompanhamento, é importante que o adulto esteja ao lado da criança nesse momento acompanhando seu andar e sempre de olho na segurança, o acompanhamento do adulto é diferente da criança estar sozinha com o andador”, opiniou.

Fonte:  Globo. com

Um comentário:

  1. Bom dia, sou Nilda tenho um filho Hugo Benicio de três anos e 6meses e ele teve andador e nunca se machucou não só graças a Deus, mais porque estava sempre por perto, as pessoas não se cercam de cuidado, pois para mim é um brinquedo e além de prestar uma ajuda nas tarefas domesticas quando se encontram acordados. Então acho injusto este decreto.

    ResponderExcluir