quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

O brinquedo favorito

O brinquedo favorito


Nos dias de hoje, vê uma criança agarrada ao seu brinquedo favorito, é quase raridade. Na era tecnológica estes pequeninos querem é diversão no tablet e no vídeo- game, ok?
Mas, e quando essa infância ainda é movida por bonecos, bichinhos de pelúcia e carrinhos que inspiram cuidados? Só o pequeno pode tocar, só ele pode levar pra escola, só com este objeto que o mirim quer dormir? Entre 200 brinquedos aquele foi o escolhido!
Muitos pais não entendem o motivo do apego, mas no fundo do seu ser, o pequeno viu algo especial naquele objeto e não quer mais largar. Seja uma carência a ser suprida, um sonho de ser como ele, quando se é criança abre-se um leque de possibilidades.
Muitas vezes este brinquedo “sofre” as ações do tempo, perde o olho, alguma roda, mas continua ali, sendo o favorito e com o passar do tempo, o pequeno torna-se grande e o brinquedo que antes era seu companheiro fiel dá lugar a outras coisas, mais interessantes para a sua idade.
Chegou a vez de se desfazer do objeto. E agora? Doar, jogar fora ou simplesmente guardar?
Sim, guardar, porque não guardar algo que tornou a sua infância especial? Todo mundo teve infância um dia, isso não é vergonha pra ninguém...
Ter algo que marcou sua infância pode ser tão prazeroso quanto qualquer outra coisa e normal também. Porque se desfazer daquilo que um dia lhe trouxe alegria, te ouviu nos momentos tristes, viveu as maiores aventuras com você?
Na maioria das vezes estes brinquedos tornam-se favoritos após um desenho visto, uma série acompanhada, um personagem marcante. No interior do Brasil, muitas bonecas especiais marcam a infância de meninas pobres, bonecas estas feitas artesanalmente por suas avós, tornando especiais para elas.
Pra a criança o objeto escolhido para se tornar especial tem que ter um brilho, que somente o pequeno jovem irá identificá-lo. Não adianta os pais influenciarem a gostar de algo que não vão. É tudo natural...
E o cuidado continua, para não quebrar, danificar ou até mesmo perder. Perder, criança não sabe perder! A emoção de perder o seu brinquedo pode render até mesmo uma insônia ou uma febre emocional.
Assim, como tudo passa, a infância também passa, mas o brinquedo fica lá, escondido na memória, escondido no coração...
E você, qual foi o seu brinquedo favorito?

Por: Hosana Leonor

Nenhum comentário:

Postar um comentário